quinta-feira, 6 de maio de 2010

Espólio de Ilusões



Inspirado no poema "Apego", do poeta português meu amigo
Rogério do Carmo, no blog http://versoeprosa.ning.com/


Calma e friamente
o mundo joga a última pá de cal
sobre o corpo frio do poeta
selando a história da sua vida
bem ou mal vivida
sabe-se lá
ratificando o silêncio
que talvez nem se transforme em saudades um dia.

Terminado está o seu trânsito pelas ruas do mundo
ir e vir humano, semovente
(plantou árvores, fez filhos, escreveu livro, então...).

Cumprido estão todos os trâmites de certidões, licenças
pó ao pó revertido finalmente
corpo ao útero da terra devolvido.

Não haverá disputa nem briga em família
sequer precisa-se fazer inventário
ele deixou somente umas poucas e miseráveis poesias
e muitos sonhos nunca plenamente realizados...

3 comentários:

  1. Caro poeta Darci, hj eu pensei algo a respeito dos teus versos, antes de vir aqui..."Enquanto houver amor entre a mãe e o filho, o poeta e a poesia, o pássaro e a flor, ainda estaremos salvos"......Lindos poemas Darci, estou aqui para te ler com toda atenção e carinho que mereces meu caríssimo...Abraços sinceros do meu Ceará!!!

    ResponderExcluir
  2. Darci,

    Que coisa bonita você nos apresenta!
    Assim, penso, deveria ser a vida do poeta. E, se digno de eternidade, seria o de sua obra, se digna de eternizar-se. Mas, no fim, seu único espólio deveria ser poesia (ainda que miseráveis, ainda que poucas) e sonhos - pois são sempre o alimento da vida que se deixa!

    Abraços,

    ResponderExcluir
  3. muito bom velho darça... Sugestivo!!

    ResponderExcluir